sexta-feira, 29 de junho de 2007

Perguntas...

Quando estou com os «meus meninos grandes», a tabalhar, como tu dizes, meu amor, olho para eles e imagino-te com a idade deles, imagino-te daqui a uns anos e sinto um turbilhão de perguntas invadir o meu pensamento.
Sinto um nó na garganta porque chego à conclusão que não tenho o poder de parar o tempo e ter-te para sempre só para mim, tão doce, tão pequenina, tão inocente... As lágrimas vêm-me aos olhos e a muito custo consigo retê-las porque sei que a cada dia que passa cresces e te tornas cada vez mais independente de mim, porque sei que aos poucos vais querer a começar a conquistar (sem a minha ajuda) o teu próprio espaço no mundo, a lutar pelos teus sonhos...
Imagino como será o teu futuro!
Será que vais continuar a querer os meus miminhos? Será que vais continuar a querer ouvir as minhas histórias? Será que vais continuar a querer olhar para mim como o teu porto de abrigo, a tua segurança? Será que vais continuar a querer-me só para ti? Será que vais continuar a querer falar comigo com o mesmo entusiasmo com que falas agora (embora as tuas conversas, linda, ainda sejam tão inocentes!)? Será que vais continuar a querer que eu seja a tua melhor amiga?
Será? Será?
Tantas perguntas para as quais não consigo obter respostas... resta-me esperar que o tempo passe devagar, bem devagarinho, para que, por ainda muito tempo, te possa guardar o cheiro tão incrivelmente doce, ver o sorriso tão surpreendentemente inocente, ouvir o riso tão alegremente sonoro mas, acima de tudo, meu amor, ver o teu olhar tão desmesuradamente sincero, puro e transparente... sentir-te por muito tempo ainda tão egoistamente minha, o meu bebé, a minha menina, a minha princesa...
No entanto meu amor, há algo que jamais o tempo poderá apagar nem modificar... o meu amor e o meu desejo de te ver crescer feliz, como nos contos de encantar de que tanto gostas!

1 comentário:

cate disse...

E sabes que o que é bom do tempo passar? é ver o nosso amor por eles a crescer cada dia que passa de tal forma incontrolável...
E é tão bom!!
beijinhos
cate