domingo, 24 de junho de 2007

Palavras...

Há palavras que nos tocam, outras que gostaríamos de esquecer e fingir nunca tê-las ouvido…
Há palavras que magoam e outras que gostaríamos de recordar para sempre!
Como diz o poeta “são como um cristal, as palavras. Algumas, um punhal, um incêndio. Outras, orvalho apenas”. De facto, é impressionante o poder que simples palavras podem exercer nas nossas vidas. É incrível como meras palavras proferidas por vezes ao acaso podem simplesmente transformar uma lágrima em sorriso, uma tristeza em alegria, uma dor em carícia, um mero instante num momento inesquecível!

Ultimamente sempre que te ouço falar, meu amor, sinto uma enorme vontade de guardar todas as tuas palavras para sempre em mim… gostaria de gravar na minha memória cada conversa tua, cada palavrinha nova que dizes, cada frase (cada vez mais complexa e gramaticalmente bem estruturada!) que pronuncias!
Saídas da tua boca, as palavras ganharam para mim um sabor especial… o sabor de um mundo em descoberta!
Adoro quando conversas connosco, embora por vezes ainda seja difícil perceber tudo o que realmente nos estás a querer contar, mas é tão delicioso ouvir-te falar, ouvir-te finalmente a transmitir-nos os teus desejos e mesmo os teus sentimentos! Sim, meu amor, porque tu és quem melhor me faz declarações de amor “Goto muto de ti, ó mamã” (dando-me um daqueles Xis que só tu me consegues dar) ou “Anda cá mamã” (e dás-me um beijinho e acaricias o teu rosto no meu) ou ainda, depois de dar um beijinho ao papá antes de nanar "Um beixinho à mamã! O papá tamém gota muto da mamã!".

Palavras… um mero conjunto de letras que me fazem sorrir e sentir que a cada dia que passa te vais transformando num ser já com personalidade bem definida (teimosa…), num ser com desejos, vontades, sonhos, imaginação, alegria, frustrações e mesmo desilusões (infelizmente elas fazem parte deste mundo novo que estás a descobrir aos poucos, meu amor!).

Há palavras que magoam e ferem, palavras magoadas que insistem por vezes em nos entristecer…
Há palavras que destroem e machucam, palavras que nos ajudam a perceber que nem sempre o mundo é o melhor sítio para se estar…
E são estas palavras, meu amor, que eu gostaria que nunca chegasses a conhecer o significado, são estas as palavras que eu gostaria que nunca constassem do teu vocabulário ou do mundo que te rodeará um dia. Sei que é utopia, as palavras perseguem-nos, as palavras são a nossa vida, são a nossa forma de aprender e crescer, são elas que nos fazem ver que nem sempre a realidade sonhada é a realidade vivida mas prometo-te, meu anjinho, que te ajudarei sempre a lidar com elas e que te ensinarei (o melhor que puder, claro!) a lhes dar o devido valor e a usá-las da melhor forma e a saber, acima de tudo, distinguir as boas das más.

Mas há palavras que já ficaram gravadas em mim, que nem a eternidade conseguirá apagar… as tuas, meu amor… puras, sentidas, verdadeiras!

1 comentário:

cate disse...

Estou ansiosa por ouvir essas palavras da boca da minha pinguinha!
Uma beijinho enorme
cate