terça-feira, 1 de setembro de 2009

Onde estás tu?

-
Onde estás tu, que desesperadamente te procuro,
por entre as memórias de afectos sem fim,
dos tempos em que de mim dependias,
nos momentos intermináveis em que o teu rosto me deitava a contemplar?
-
Onde estás, que dolorosamente tento encontrar,
nos vestígios do bebé ainda há tão pouco tempo preso em mim,
nas carícias que docemente trocávamos,
como se delas o Mundo necessitasse para se tornar mais belo?
-
Onde estás tu, meu amor pequenino,
que loucamente procuro por ti
e simplesmente não te encontro?
-
Em que momento trocaste as gargalhadas contagiantes,
os risos e os abraços apertados,
a troca de olhares que tudo diziam e a que nada escapava,
para me fugir com este tempo injusto que insiste em passar?
-
Em que momento decidiste misturar a tua doçura e meiguice
com palavras que não te conhecia, provocações desnecessárias,
birras irritantes e lágrimas a cada instante,
como se agora o meu abraço já não chegasse para te devolver a calma e o sorriso?
-
Em que momento deixaste que a tua teimosia e constantes asneiras
me fizessem chorar e desesperar, até ao limite a minha paciência levar,
simplesmente por não saber onde possa estar a errar?
-
-
Diz-me, meu amor, em que posso ajudar para tornar esta fase menos dolorosa e difícil de ultrapassar?
Diz-me, princesa, em que castelo te posso ir resgatar para nos meus bralos te poder novamente aninhar?
Diz-me, fofinha, que tem a mamã de fazer para te guardar ainda mais um bocadinho bebé, menina de sonhos mágicos e olhar de mar?
Diz-me somente onde estás, se tão longe te sinto de mim, por entre actos e palavras que não te conhecia?
Diz-me que medos teus tenho de combater, que receios tenho de destruir para te ter novamente para mim...
Sei que estás perto, sim, sei, porque por entre as birras, as lágrimas, as asneiras, as provocações, o meu miminho vens pedinchar e o meu abraço procurar.
Sinto-o porque é no meu regaço que continuas a encostar-te, é o meu abraço que continuas a querer... para simplesmente poder aodrmecer!
Porquê?

2 comentários:

Isabel disse...

Eles crescem de forma alucinante e cada vez vão estando mais "sabidos" e vão tentando testar os nossos limites.
E nós ficamos com a árdua tarefa de os amar e educar ao mesmo tempo.
Apesar de ser maravilhoso ser mãe/pai, não é fácil!...
Um beijinho enorme!

Mãe-Galinha disse...

Agora é sempre a crescer e a testar aqueles que mais os amam...

Beijocas