sábado, 29 de dezembro de 2007

Um ano sem ti...

(Para ti, R...)
-
-
Um ano depois
-
Ainda parece mentira... ainda parece tudo irreal!
Ainda não consigo escrever... não saberia como explicar...
A tua partida... súbita, sem ninguém avisar,
Veio tudo e todos transtornar...
Há palavras que infelizmente nunca te direi
Mas prometo, prometo-te, que um dia
As escreverei,
Talvez assim te possa mostrar
Um pouco do Desespero e da Saudade
Do Vazio e da Revolta
que nunca deixarão de nos atormentar!
-
-
(contar-te-ei um dia, J., contar-te-ei a história de um anjo que partiu cedo demais, de forma tão assustadoramente inesperada que tudo parece ser ainda um pesadelo! Contar-te-ei a sua história para assim relembrá-la e mostrar-te também como a Vida pode ser tão efémera e injusta, como devemos aproveitá-la ao máximo, como devemos sorver cada momento como se do último se tratasse!
Se num momento estamos cá, no segundo seguinte tudo acaba... para sempre!
E o céu vai-se enchendo de pequenas estrelas cintilantes que nos sorriem nas noites de luar e nos guardam nos momentos de solidão...)
---