sexta-feira, 27 de julho de 2007

Até quando?...

Um dias destes, estávamos eu e o papá a preparar-te para nanar, ele perguntou-me quando é que eu ia começar a deixar-te sozinha na cama para te habituares a adormecer sem a minha presença. No fundo, eu sei que ele tem razão, que deverias começar a habituar-te a ir para a cama e adormecer sem que eu tivesse de lá estar.
Mas, também, ainda não me consigo desprender assim tanto de ti, pois, como disse ao papá, não sei até quando me vais querer, assim, só para ti.
É verdade, meu anjo, se há pergunta que não me sai da cabeça é esta - "Até quando?"
...
Até quando me vais querer totalmente tua? Chegará a altura em que a tua constante conquista do mundo te vai afastar de mim, pelo menos fisicamente. Chegará o momento em que quererás o teu espaço, só teu, esse espaço onde nem sempre me será permitido entrar...
...
Até quando te vou poder adormecer ao ritmo das histórias de encantar que tanto gostas? Sim, meu amor, chegará o momento em que já serás tu própria a criar o teu mundo, longe da fantasia e da magia com as quais a mamã tanto gosta de preencher os teus sonhos...
...
Até quando vais adormecer agarrada a mim, com essas mãozinhas ternurentas a acariciar-me o rosto e a fazer festinhas nas minhas orelhas? Chegará o momento em que me dispensarás para poder viver livremente os teus sentimentos, as tuas alegrias, as tuas mágoas...
...
Até quando vou poder sentir o teu aroma doce de menina ainda tão bebé? Ainda tão minha? Chegará a hora em que teus perfumes serão outros, nem sempre escolhidos por mim, chegará a hora em que, por muito que eu não queira, vais crescer e, com isso, te vais libertar das amarras que ainda te prendem a este amor materno que tanto te acalma e tranquiliza...
...
Até quando vou poder olhar para ti a dormir, serenamente, qual anjo caído do céu? Os céus passarão a ser outros, os sonhos e os desejos também...
...
Até quando me mais abraçar como me abraças, de forma tão apaixonada? Até quando vais encostar o teu narizinho no meu para miminhos sem fim? Até quando me vais considerar o teu porto seguro ou me vais querer para te aconchegar, te mimar, te acalmar ou mesmo te ralhar?
...
Até quando, meu amor? Até quando vou ouvir da tua boca palavras tão puras e sinceras como "Mamã, goto muto de ti!" ou "A mamã é minha, é muto fôfa"? Nem sempre as tuas declarações de amor serão para mim, outros ouvirão as tuas palavras...
...
Até quando?
...
Já cresceste tanto, princesinha... já olho para ti e sinto cada vez mais que o tempo te vai afastando aos poucos de mim... os teus braços cresceram, as tuas mãos cresceram, as tuas pernas cresceram, tu cresceste, quase já não te reconheço na imagem de bebé recém-nascido que ainda há bem pouco tempo atrás eras, já brincas sem mim e já começas a querer formar a tua personalidade, tão forte, tão vincada...
Adoro ver-te crescer, é óbvio que sim, és a minha continuação, a minha história, parte do meu ser que vai continuar a deixar a sua marca no tempo! És linda, a princesa com a qual sempre sonhei nos meus sonhos de menina... mas vais continuar a crescer e isso assusta-me! Como vou ficar longe ti, como poderei impedir que as asas de pássaro faminto de sonho e ilusões não te levem para longe de mim? Diz-me... consegues? Responde-me... até quando?
(...)
(não há maneira de obter resposta para esta pergunta por isso, minha paixão, nunca te esqueças que mesmo quando não fores mais do que a lembrança do bebé que um dia foste, a mamã estará sempre aqui para te abraçar, te mimar, te aconchegar, te sossegar, te limpar as lágrimas, te ver sorrir e mesmo te adormecer...
E tu papá, sei que sentes o mesmo que eu, por isso, não me perguntes mais se vou continuar a querê-la, assim, sempre bebé, só para mim... porque então eu também te farei a pergunta que a ti também te atormenta... «Até quando?»)

1 comentário:

disse...

Acho que todas as Mães fazem essas mesmas perguntas, Têm esses mesmos medos... tantas vezes olho para a minha filha, tão pura, tão ingénua, tão minha... e penso nisso.
Esperemos que sempre, que possamos sempre ser o seu porto de abrigo, o seu maior apoio, as suas melhores amigas.