sábado, 19 de dezembro de 2009

À tua espera...

(foto retirada)
-
Hoje de manhã, enquanto ia para o último dia de escola antes das férias de Natal, uma simples música, uma melodia que já não ouvia há muito tempo fez com que as minhas lágrimas simplesmente rebentassem e, sem pedir sequer autorização, rolassem pelo meu rosto... escaldantes, solitárias...
Esta época por si só já me deixa melancólica, com um desejo absurdo de rasgar o céu e de lá resgastar as estrelas que faltam no meu pinheirinho, as mais importantes, as que lhe dariam um brilho ainda mais intenso, as que me ferem de saudade e que só posso observar em noites frias de céu estrelado...
E a esta tremenda e dolorosa saudade, este ano, vem juntar-se a angústia de saber que vais passar por um momento difícil, talvez mais para mim do que para ti, mas que não me deixa desapertar este nó na garganta, esta dor no peito, este medo absurdo de te poder ver sofrer ou mesmo perder!
-
(foto retirada)
-
Vais ser operada... e sempre que penso nisso as lágrimas imediatamente inudam-me os olhos! Tenho tanto medo, minha flor! Nem sequer o consigo expressar em palavras, que sempre foram o meu jeito de desabafar...
Três dias após o Natal, serás operada às adenóides e aos ouvidos e por muito que me digam que é uma operação simples, o meu medo não diminui... só de imaginar que te porão a dormir, sem que possa estar no bloco até tu adormeceres, sinto-me completamente a rasgar por dentro, qual papel amarrotado!
Expliquei-te que a doutora te iria pôr um pijaminha e uma touca especiais, próprios somente para os meninos corajosos e que ia tentar libertar o líquido que no teu ouvido já te impede de ouvir convenientemente, que ia tratar-te como tu irás tratar o Nenuco Maternidade que pediste ao Pai Natal...
Disseste que sim, nada pareceu te assustar, mas o olhar de pânico (não com a operação em si) com que olhaste para mim naquele momento não me tem largado um segundo!
Sim, quando te expliquei tudo isso, olhaste-me assustada e numa voz doce de quem tem o condão de encantar, perguntaste-me: "Mas mamã... tu vais ficar comigo?"

Claro, meu amor, disse-te abraçando-te. Só aí percebi que nessa cabecinha pequenina não era o receio de estar ou ficar no hospital que te assustava mas sim o pânico de que eu te deixasse lá sozinnha, de que te abandonasse!
Será que no abraço que te dei e nas lágrimas que tentei imediatamente sufocar te consegui fazer perceber que se há coisa neste Mundo que nunca farei é abandonar-te?
Será que se olhares nos meus olhos consegues entender que por muito simples que tudo isto possa parecer, muito maior é o meu desespero só de pensar que possas sofrer, por muito momentâneo que seja... que sinto-lhe encolher perante uma dor alucinante só de imaginar que nesses trinta minutos que durará a cirurgia, o meu medo de te perder será o meu maior fantasma, o meu pesadelo...
Posso parecer infantil, posso parecer fraca, mas não o consigo evitar! És a minha princesa, a minha traquinas ternurenta, a minha flor de mil cores, o meu céu, o meu chão!
Só quero que saibas que a mamã estará sempre contigo, independentemente de tudo e todos, se não para sofrer as dores por ti, pelo menos a tentar amenizá-las! E sim, meu amor, a mamã nanará contigo no hospital, como tanto queres e tanto medo ao mesmo tempo pareces demonstrar em que eu não cumpra a promessa!
Olha só para mim, meu amor pequenino, toca-me e sente o quanto tremo só de pensar que cada vez mais se torna impossível para mim sofrer o teu sofrimento, chorar as tuas lágrimas! E acredita, princesa, se isso fosse possível, essa seria a prenda que pediria ao Pai Natal! Sofrer por ti, impedir que tenhas que passar por momentos dificeis ou dolorosos...
-
O Natal será vivido com a alegria que só tu lhe consegues proporcionar, pela casa ecoarão os risos e gargalhadas que só tu consegues nos arrancar! Brincaremos e mais uma vez enternecer-me-ei com o brilho do teu olhar, com a felicidade que consegues transportar em ti e espalhar por onde passas... e depois? Depois, minha fofinha, estarei a teu lado para, quando acordares, aninhar-te no meu colo para te mostrar que sou e serei sempre o teu porto de abrigo e que no meu abraço se esconde o maior amor do mundo... o meu amor por ti!
-



(foi esta música que ouvi quando os raios de sol à minha frente me despertavam para mais um dia, foi esta a melodia que me fez explodir num choro imcompreensível e me fez sentir tão pequenina perante a imensidão do amor que sinto por ti... Sim, pequenina, onde quer que vás, faças o que fizeres, doa o que doer, estou e estarei aqui sempre aqui... à tua espera!)

5 comentários:

beedrill disse...

oh querida deixaste-me com o coração apertadinho , mas vai correr tudo muito bem , vais ver...
queria já vos desejar um felz Natal com muita paz e muita magia , beijos grandes

sonia disse...

Carambas devia ser proibido elas passarem por momentos destes!!Se podessemos tirar-lhe todos os medos, pânicos e dores...ai que eu dava!

Coragem linda, coragem!Qual é a mãe que não percebe ?

beijinhos

Mamã da Rafinha disse...

Coragem e muita força para ti...

Um santo Natal. cheiiinho de amor, alegria e saúde!

Beijinhos Ho Ho HO

Isabel disse...

Vai tudo correr bem, mas imagino o que sentes, afinal são os nossos filhos, os nossos bens mais preciosos.

Aproveito para vos desejar um Santo Natal, cheio de Paz e Amor!
Um grande beijinho!

Mamã dos Diabinhos disse...

Fiquei comovida, imagino este teu sofrimento.
Mas vai correr tudo bem, e vao deixar-te esatr com ela até ficar a dormir, pelo menos os casos que conheço com crinaças é assim que o fazem...
Aproevito para desejar um Santo e Feliza Natal com muito amor!
Beijos