quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Tu e eu...

.
Há quem diga que a criança que outrora fui renasceu a partir do momento em que chegaste ao mundo, meu amor.
Dizem alguns que observar-te, na tua forma de agir e reagir a qualquer coisa que seja é ver-me a mim, dizem mesmo que és a minha imagem reflectida no meu espelho!
De facto, a tua teimosia por vezes excessiva, a personalidade forte e (algumas vezes) birrenta, a dificuldade em deixar as lágrimas rolar, tentando sufocá-las até rebenterem, a tua impaciência e também a tua insegurança escondida por detrás de uma fortaleza de risos e olhares alegres realmente fazem-me relembrar-me, ver-me em ti como se fosses a minha continuação, uma parte do meu ser que decidiu desabrochar em ti para me eternizar... mas isso assusta-me tanto, fofinha!
Sim, se soubesses como queria que deitasses cá para fora mais facilmente as tuas frustrações, como desejava que essa mania da perfeição não te tornasse ainda mais impaciente, como desejaria limpar as lágrimas que deixasses livremente rolar pelo teu rosto.
Digo-te isto, meu amor pequenino, porque sei o quanto esta forma de encarar o Mundo, esta maneira de estar e sentir te farão sofrer. Digo-to convictamente porque sinto-o diariamente!
No entanto, meu tesouro, sei que se realmente fores assim tão igual a mim como dizem, toda a ternura que o teu olhar transporta, todos os sonhos que ele abarca, todo o carinho que nas tuas mãos vive, toda a sensibilidade que os teus actos e palavras demonstram e todo o afecto que o teu rosto transmite permitirão então que encontres o equilíbrio necessário para vencer qualquer obstáculo e tornar-te-ão, sem dúvida, uma menina encantadora, um ser de quem facilmente se gostará.
Sei que se fores de facto tão parecida com a mamã, serás uma pessoa impulsiva mas extremamente emotiva, impaciente mas tolerante, um pouco introvertida mas de uma sensibilidade infinita, um ser a quem uma simples melodia, um olhar, um gesto ou uma mera palavra comeverão e humedecerão o olhar!
Sei que se realmente fores assim tão parecida comigo, estarás sempre disposta a abraçar e acarinhar, a sorrir ou a chorar com quem precisar de ti e tudo isto, minha princesa linda, enternece-me e orgulha-me!
Mas, apesar de tudo o que possam dizer, se de mim retirares muito para ti e em ti o muito que é só teu fizer nascer uma nova personalidade, fica a saber, princesa, que nunca, em tempo algum, eu vou deixar de me orgulhar e de te amar!
.
Nas semelhanças ou nas diferenças, em cada pedacinho mais ínfimo de nós, sei que o nosso olhar nunca deixará de se adorar e jamais deixará de se cruzar porque se há algo superior que nos une é o Amor por detrás desse mesmo olhar!
-

1 comentário:

Dangerously in Love disse...

Eu chego ao final dos teus textos e nem sei o que dizer... lindissimo como sempre!

beijo grande